11/10/2013

||| do [não] prazer de ler...


||| ... de tempos a tempos regresso a uma procura constante sobre a temática da promoção da leitura junto dos meus alunos. faço uma busca no universo virtual. entro em bibliotecas na procura de ideias que possam servir de raiz às minhas. e vejo associadas, tantas vezes, palavras que me assustam. o prazer de ler. o gosto pela leitura. e mais umas quantas. eu não tenho prazer ao ler. sinceramente ler é um dos exercícios físico mais desagradáveis que existem. fico com dores nas costas e nos olhos. ao fim de algum tempo sinto-me imóvel e o mundo a andar. geralmente os braços pesam ao fim de algum tempo. e mais do que isso mudo de posição várias vezes mesmo sentado numa confortável cadeira ou banco de jardim. não é esse o conceito que associo ao facto de ler muito. e leio. agora menos que o tempo é preenchido por muitas coisas para além das palavras escritas e lidas. prazer não a palavra certa. nem o gosto enquanto conceito de momento. desisto, quase sempre, ao ver estratégias associadas a estes conceitos. eu e os meus alunos, creio que, também. até porque ler exige tempo e concentração. um desligar do mundo. e muitos deles não o querem fazer. uso sempre a mais simples das estratégias. ler é poder. ler é conhecimento. ler é saber o futuro antes de todos os outros porque o passado está à nossa frente. levo sempre livros para as minhas aulas. na minha mala anda sempre um. mas levo sempre livros. os alunos perguntam tantas vezes: "ó professor como é que saber isso?" e a minha resposta imediata é [passando o livro para o seu universo e as suas mãos]: "está aqui, página cento e tantos, ora espreita..." e assim o livro ganha vida. não é prazer. é vida. porque para além do vício da leitura está o saber que fica incorporado ao ler. esse é um exercício de provocação. talvez um dia veja escrito num qualquer lugar: a provocação da leitura... e deixemos o prazer e o gosto para quando o tempo passar a ser das palavras e da memória como a imagem de camilo castelo branco que os meus alunos encontraram numa caminhada em conversa...