31/10/2013

||| é que isto é uma brincadeira muito séria...


||| ... olha que estou a brincar contigo. dizemos sempre, e lembro-me de uma professora amiga que sempre me recorda esta expressão como definição do quão alterada está a noção de brincar por seremos adultos. se é a brincar tudo é permitido. mas não é. só os adultos brincam. é uma expressão fantástica. só os adultos brincam. então podemos brincar com o conhecimento. e podemos levar as regras [ou ausência delas] para a sala de aula. brincar não significa deixar de aprender. significa exactamente o contrário. aprender. aprender porque temos que construir o próprio processo para o fazer. se há expressão que me transtorna é mesmo aquela que parece ser muito querida a muita gente: aprender a aprender. estranho a paixão pelo conceito. e estranho o próprio conceito em si. e por isso gosto muito mais de colocar o conhecimento como motor para o desenvolvimento da brincadeira. isto é, de transformar o que sabemos em algo novo. mas partindo do conhecimento. do nada, nada nasce. e a criatividade sem conhecimento é idiotice [no sentido mais banal do conceito]. os meus alunos sabem por isso que podem brincar com o que sabem. podem até construir coisas novas com o que aprenderam. têm toda a liberdade criativa que a brincadeira permite. mas a base de tudo isso é mesmo a exploração inteligente das regras que podem e devem ser quebradas no acto de brincar com o que se sabe. por isso cada aula que penso é um desafio. sem regras. podendo cada aluno brincar com o conhecimento e criar algo que é uma nova forma de olhar a realidade e o que o próprio aluno já sabe. dar-lhes o poder de brincarem com o conhecimento é das coisas mais ricas que tenho vivido enquanto professor. mas no princípio... no princípio do mundo estava o conhecimento e isso é uma brincadeira muito séria...