15/10/2013

||| eles não sabem que o sonho... ainda está no vitral...


||| ... do jornal, a poesia dos meus alunos...

o perfume transmite paz
e a vida fazia-se de avanços e recuos
e voltava tudo ao início
deitar tudo cá para fora,
o dinheiro é pouco mas vai dando
ninguém estudou para isto...

... se por momentos olham para o seu património, se pensam no tempo, se compreendem o hoje, podemos partir daqui para interpretar o ontem. e quem sabe o amanhã. mas importa-me o ontem pois é isso que está no programa. no programa não está o hoje. está o ontem. e o que importa o ontem, hoje? para eles? para mim? todos nós estamos sedentos de significados. eu, como professor, consigo ler um pouco mais a realidade do que eles. penso e tenho algumas ferramentas mais desenvolvidas pelo tempo e pela experiência. digo-lhes sempre que experiência não é razão. podemos ter passado a vida toda a apertar o parafuso mal e temos imensa experiência numa coisa que não devia ser assim. importa a reflexão sobre a experiência. e isso sim, ajuda-me como professor e a eles como alunos a perceberem o hoje, o agora, o aqui. só assim podemos partir para ontem sabendo de onde estamos...

... dos meus alunos, em sessenta minutos...

a minha partida foi horrível
mas consegui recuperar, ainda não foi desta
que alcancei o meu lugar.
uma época cheia de vitórias, com razões para desconfiar
uma vez perdidas, só resta recordar.
estava um pouco na defensiva mas depois de uma volta rápida
dei pela falta da pessoa desaparecida
era a chave do meu grande e perfeito lugar.