24/10/2013

||| perspectiva e metamorfose ou os outros na sala...


||| ... eu tenho bem a consciência que não me exprimo com exactidão. as senhoras e os cavalheiros têm um tal domínio da palavra que podem sempre dizer o que querem, mas um homem vulgar como eu não o sabe fazer. as palavras não acodem naturalmente. têm mais pensamentos que palavras e as palavras quando vêm não dizem com os pensamentos. esta frase é do livro o altruísta de b. shaw. e estou a pensar as minhas aulas partindo dele. todas pensadas, quase todas, até ao final deste tempo antes do natal. sentei-me. telefonei. pedi. falei de não haver dinheiro. de ter que conter custos. liguei para amigos e conhecidos. e até desconhecidos. quero levar os meus alunos aí. fazer isto e aquilo. quero, tão somente, que vá lá à minha aula. gente conhecida que não tinha o email ou telefone e que não parei até os conseguir. e liguei e disseram-me que não. e disseram-me que sim. aos que disseram não, agradeci. percebi que o tempo é complexo e as razões ainda mais. aos que disseram que sim, agradecerei depois um pouco mais. e desenhei a próxima aula. dei-lhe um nome. faz parte da triologia de aulas para preparar o acesso e gosto pelo conhecimento. comecei com o silêncio, passei para os outros e agora, para terminar: perspectivas. a ideia também não é minha. é roubada deste livro. não tenho nem a arte nem o domínio da técnica para conceber algo tão bom. algo que explique como podemos olhar para as coisas e saber o seu sabor, cor, compostos e componentes e mesmo assim não saber o que é. de como ao mudar de perspectiva tudo muda. a pergunta de abertura da aula será simples. porque é que nas escolas o nosso mapa mundo tem a europa ao centro? sabem?...