02/10/2013

||| sobre o horror dos conceitos dos outros...


||| ... enquanto professor sempre achei muito curiosas certas palavras. interdisciplinaridade é uma delas. curiosa, extensa, estranha. vou ler o programa oficial e deparo com o conceito que alguém pensou para eu ensinar aos meus alunos: a construção do social. acho, por instantes, bonito. depois, observo com atenção que o do está ali a estragar tudo. porque não podem manter as coisas simples? mas assim seja. a construção do social. e é preciso dar a volta para encaixar o sujeito histórico-social. mais conceitos. gosto do traço no meio. como se fosse possível tal divisão. como se o braço e a perna não fizessem parte do meu corpo em igual forma e utilidade. mas está bem. sou professor e dizem-me que tem que ser assim. não os oiço, aos que escreveram o programa oficial e se os ouvisse não ouviria e falaria de tirar um do que está a mais e aí seriam eles que não ouviriam nada. então que fazer? sou um professor da área das ciências sociais, não devia saber nada de ciências ditas exactas ou de artes, ou mesmo de qualquer outra coisa que não fossem essas mesmas ciências sociais. mas sei. e por isso vou começar pela mais óbvia de todas as coisas. ler os programas das disciplinas dos meus colegas. encontrar pontos em comum. criar desafios de imaginação, pensar a tal coisa chamada interdisciplinaridade... e preparar uma aula para a semana...