01/11/2013

||| do regular funcionamento das instituições ou o gato amarelo...


||| ... há uma grande diferença na escola nos tempos que correm. enquanto aluno senti que os meus professores pensavam adivinhar o futuro. tinham uma ideia. tinham uma concepção do tempo que viria e para o qual nos estavam a preparar. hoje, os meus alunos vão reformar-se em dois mil e setenta e tal. e eu consigo vislumbrar o futuro, tenho uma ideia do que será, mas não como os preparar para ele. o que vão precisar? o que vão ter que saber? tenho alguma clarividência que vem de ser um amante de ficção científica. ou simplesmente de não ter renegado júlio verne na adolescência. um dos livros que me acompanhou foi mesmo as vinte mil léguas submarinas. e o meu medo não é do que não ser capaz de pensar o futuro. é que futuro eu vejo. e digo-lhes sempre nas aulas. no futuro, como no passado, os letrados serão homens e mulheres de poder. a palavra é antiga. letrados. os que conhecem e dominam as letras. os livros. o saber. é que a maior arma de poder será, para mim que sou hoje professor deles, a mesma que tomou conta de toda a história. a dicotomia conhecimento/ignorância. e só os posso preparar para o futuro se pensar nisso. no que eles precisam para enfrentar algo que ambos desconhecemos. e é por isso que procuro ensinar um pouco acima das minhas possibilidades para que o futuro seja um lugar onde eles, meus alunos, encontrem o seu espaço e caminho...