28/11/2013

||| o super-homem que nasceu num livro...


||| ... sempre fui e sou professor a noventa por cento. sim, faltam dez por cento. noventa por cento porque o resto sou eu. eu, pessoa. eu, gente. eu que faço outras coisas para além de dar [e gosto desta expressão - dar/doar/partilhar] aulas. nunca me foi possível ver a sala de aula como um palco. ou como outra coisa qualquer que não seja uma sala de aula. ou a escola como um lugar onde gosto de estar. os alunos dizem sempre: tenho que ir à escola. este ter assusta-me. gosto quando dizem que vão à escola. estão na escola. e penso nisso quando penso uma aula. e agora que um primeiro período de tempo escolar termina [expressão que não gosto porque me lembra ainda as paragens nas fábricas para reposição de stocks], que vem aí o natal [gosto mais] penso nas aulas que já dei e nas que quero dar. e vou aos dez por cento de mim buscar o que os noventa por cento de mim professor precisam. isto é, vou falar com pessoas que conheço, pedir um favor, dizer que não tenho dinheiro e a escola não tem dinheiro e os alunos também não. que se puderem fazer por amizade agradeço. se não puderem, ficaremos amigos na mesma e quando eu [ou eles, ou nós] tiver[mos] dinheiro lá irei[mos]. e muitas vezes vejo que isto falta no espaço escola. sei de professores que são músicos, poetas, pintores, desenhadores ou dedicam-se a coleccionar coisas fantásticas de que nunca falam ou levam para a escola. imaginem por um breve instante que todos esses professores levavam os seus dez por cento para a escola. esses dez por cento de si. esses dez por cento de um talento e de uma vontade imensa de fazer melhor, diferente, ou de provocar mudança. e eu, com os meus dez por cento que já pedi [mesmo sem dinheiro] vou conseguindo algumas coisas para eles. eles, os meus alunos. e para mim. para mim para que a escola seja o lugar onde todos estamos. onde ninguém vai lá de passagem mas para estar, viver e aprender. se custa, custa. se pedir não é fácil. não é. mas são dez minutos, um telefonema ou um email. o não é certo. o sim, também. e podemos, com dez por cento de nós, fazer da escola aquilo que somos. humanos. seres imensos. maiores do que uma função. maiores. nós e eles. nós. na escola...