25/11/2013

||| sobre a mais alta árvore na floresta...


||| ... hoje quando carreguei neste botão que me leva à sala de aula pensei por um instante numa coisa que me parece andar esquecida pelas escolas. a nobreza da arte de ensinar. que nos esquecemos disso. que o tempo nos tem roubado isso. que as discussões sobre carreiras, modelos e teorias nos afastam disso. e nos poucos segundos que vão do zero ao quinto andar fui a pensar nisso. que tinha estado a pensar na aula que ia dar. que fui comprar umas coisas para a tornar possível. que me dedico todos os dias a ser melhor professor para que os meus alunos sejam melhores homens e mulheres do que eu fui ou sou porque poderão saber mais do mundo do que eu alguma vez sonhei saber. e assusta-me que andemos todos a discutir tudo menos isso. isso que é a mais nobre das acções e a mais prestigiada também. a de ensinar o que se sabe [muito ou pouco] é das coisas mais prestigiantes que existem. e nisso, nesse acto, está a valorização do que somos, do que fazemos, nesse simples acto que guarda em si todo esse universo de acção para o futuro muito maior do que nós. a porta do elevador abriu-se. deixei lá ficar todos estes pensamentos e mais aqueles que me consomem nos tempos que correm. ali, naqueles corredores, naquelas salas, neste tempo e neste espaço eu sou só um professor com orgulho de o ser e de ter a mais nobre das artes. a de ensinar...