22/07/2014

||| só me lembro de maquiavel...


"e aconteceu também com aqueles imperadores que, 
sendo homens comuns, pela corrupção dos soldados,
ascendiam à cabeça do império.
estes dependem inteiramente da vontade e da sorte
de quem lhes concedeu esse estatuto,
que são duas coisas muito volúveis e instáveis.
não sabem nem podem 
conservar esse estatuto. não sabem porque,
não são homens de grande engenho e capacidade, não é
razoável que, tendo vivido sempre como homens comuns
saibam comandar. não podem porque não têm forças
que lhes sejam dedicadas e fiéis."
o principe, maquiavel

||| ... tenho um hábito recente. sempre fui de ver pouca ou nenhuma televisão. nos últimos temos inverti esse sentido. um hábito criou-se. com um breve e curto pequeno-almoço espreito as notícias da manhã num telejornal matinal. e hoje era sobre a escola. e a prova. era uma espécie de "aguardar a catástrofe". e circulavam as imagens cruzando-se os portões de vários espaços escolares. uns atrás dos outros. com jornalistas a falarem com professores. vai fazer? vai entrar? e a espera era mesmo por um movimento mais brusco. uma palavra desafinada. e no meio de tudo aquilo reparei num conjunto de figuras vestidas com a farda policial. iam garantir a segurança. a ordem. nesse momento, como noutros, fiquei pensativo. estas imagens vão inundar a chamada "comunicação social" nas próximas horas. a escola cercada. guardada. dos seus guardiões. e tudo me pareceu tão surreal que só podia ser montagem. mas não era. era mesmo isto. sem conhecimento ou explicação os jornalistas falavam do que não sabiam. os professores acalorados por uma luta justa e por injustiças sucessivas levantavam a voz e procuravam conquistas. e tudo me pareceu tão estranho. como chegámos aqui? eu que sou professor e que sou um profundo defensor da desobediência civil sempre achei que quando é injusta a lei a única opção é desobedecer. e isso era esperado perante tanta coisa injusta criada nos últimos anos por um ministério que está a fazer explodir, por dentro, a educação. mas a desobediência deve ser poderosa na forma e espantosa na coerência. e a desinformação aqui é total. e por isso perigosa. ou muito bem feita por quem quer ver a escola a desaparecer. são uns contra os outros no mesmo sistema e a imagem que se quer criar é que os guardiões da escola são aqueles que não querem passar por uma avaliação. falta aqui uma imensa clarificação. o sistema tornou-se tão denso que não é fácil dizer: esta prova não serve para avaliar nada. porque ninguém hoje sabe o que faz um professor. para além de dar aulas isso não é claro. e por isso os julgamentos são simples de fazer. é aqui que tudo é maquiavélico. porque é cirúrgico. estratégico. é fácil desagregar uma imagem construída pela seriedade do trabalho que a maioria dos professor faz. é só filmar uma destas cenas criada para isso mesmo e a repetir sem fim durante um dia numa televisão qualquer. é também assim que se destrói a escola. e maquiavel tinha razão. muita razão. quando aqueles que chegam ao poder não conseguem ter a dignidade necessária para o cargo tudo corre como previsto. imperfeitamente. mal. de maldade. contra. e isso vai levar muito tempo a recuperar. que quem venha a seguir venha por bem. pois tem muito, mas muito trabalho para fazer...