18/09/2014

||| depois de salazar dormir...


||| ... enquanto salazar dormia estava tudo bem. o pior era depois de salazar dormir. desde que conheci o  senhor salazar nunca mais fui o mesmo. e era sempre depois dele dormir. dizia sempre: ó professor, são os meus dez minutos de descanso, porra. era mesmo assim que rematava a coisa. era dele. e o senhor salazar era daquelas figuras únicas. alto, magro, de olhar taciturno. metia respeito. até a mim metia respeito. quando era preciso dizer que eu não podia estar ali com os miúdos na aula mandavam sempre o senhor salazar. e eu obedecia. devia ser dele. ou do nome. mas era um homem imensamente doce com os miúdos. tinha rebuçados na algibeira. dava aos mais pequenos. dizia-me sempre, depois de dormir: ó professor, deixe estar. eles não sabem o que é a vida. e ainda bem. toma lá cachopo. e eram estas palavras. as palavras. com ele, o salazar, aprendi a respeitar imensamente os funcionários das escolas. tal como hoje o faço. e hoje recordei-me dele. do senhor salazar. foi numa das primeiras escolas em que estive. foi ele que me recebeu no primeiro dia. no portão. fiquei amigo dele. tinha o hábito de dormir entre as duas e as duas e meia da tarde. acordava de mau humor. sempre. era sempre pior pedir o que fosse ao salazar depois dele dormir. mas quando era intervalo lá estava ele. de bata azul, limpa, a olhar para os cachopos. era ssim. só isso. dizia ele nas conversas que fomos tendo sempre de pé, sempre a olhar, que era assim que mantinha a ordem. olhando por eles. aprendi isso com ele. nesse ano raramente fui à sala dos professores. ele, o salazar, era o melhor conversador do mundo. e sabia de educação o que eu nunca saberei. aprendi com ele tanta coisa. ele, o salazar, que me faz falta. mas que encontro em cada funcionário da escola. que diz saber o nome de todos os miúdos. que olha por eles. e sem quem, a escola, não funciona. espero, para bem dos cachopos, que o salazar ainda ande por aquela escola. um dia volto lá. para o ver. a ver os cachopos. mas vou antes dele dormir...

Sem comentários:

Enviar um comentário