25/09/2014

||| eram só retratos da escola...


||| ... o rui sempre me conseguiu surpreender. gosto de alunos assim. eu digo a e eles fazem a + b. é bom. tinha pedido retratos. retratos da escola. era um desafio semanal. para analisar a evolução do conceito de comunidade. de como nos relacionamos uns com os outros, historicamente. isto por causa do "passeio público". em que expliquei essa ideia da "mostra social" e da "validação". assim como meti a minha colherada na burguesia. o rui, como sempre, foi o último a entregar o trabalho. sempre na primeira semana de aulas. sempre na sexta-feira. e sempre com o tempo ultrapassado para além de toda a boa-vontade. na janela do carro, eu de braço estendido depois de ouvir: professor! espere aí que tenho aqui o trabalho! vidro aberto, lá recebi o "cartão de memória", como me disse. não percebi que o tivesse dito assim e porquê. mas disse. cartão de memória. não sei a razão mas quando cheguei a casa foi a primeira coisa que fiz. abrir aquele cartão. uma única fotografia e uma pasta com vinte outras. a fotografia inicial era de uma aluna. de costas para a entrada da sala de aula. as restantes vinte eram do corredor. só com essa aluna. sempre de costas. sem qualquer alteração de plano. só mudava uma coisa. a luz. percebi que tinha sido tirando ao longo do dia. de manhã até ao fim de tarde. talvez por isso ter esperado para me entregar aquilo. a minha dúvida mantinha-se. eu tinha pedido retratos da comunidade. eis que, voltando a encontrar o rui lhe disse: gostei das fotos. gostei do trabalho. podes explicar-me. o rui, miúdo diferente em tudo, disse: ó professor, sente-se aqui. aqui era o degrau da escada que permite o acesso ao andar superior das salas. tirou a máquina. mostrou-me a primeira foto. disse: professor, a legenda é: neste lugar somos só nós, indefinidos. e andou para a frente para as fotografias no corredor e disse: professor, a legenda é: neste lugar sou só eu. dei-lhe vinte. e um abraço. e os parabéns. depois de estarmos um bom tempo na conversa o rui rematou tudo assim: ó professor, acha mesmo que há comunidades na escola? não é isso que nos ensinam. não é isso que esperam de nós. não é isso que fazem de nós. e por acaso agora mesmo olhei para as fotos. e para a lição que o rui me deu. e devolvi o "cartão de memória". 

Sem comentários:

Enviar um comentário