25/10/2014

||| nunca se deixa de ser professor...


||| ... mesmo quando se tem que mudar. mesmo escolhemos mudar. nunca se deixa de ser professor. quando se levou uma vida de dedicação ao imenso acto de ensinar, não sai do corpo, dos gestos, do pensamento, essa coisa imensa de partilhar o que se sabe. mesmo que se tente o silêncio e o saber ouvir aprendido com décadas de falar e ouvir, aprender e ensinar. não sai da pele, nunca. é a explicação dada para dar a entender as coisas. é a forma como se explica uma coisa simples. é a co-relação de coisas que se faz naturalmente porque o conhecimento não é só um mas único e múltiplo. quando se fala e como se fala. não saí do corpo. é uma pele e não é a segunda. e a essência. a coisa feita de que somos feitos. mesmo quando se deixa de ser nunca se deixa de viver. é algo maior do que uma profissão. é um gesto, um tempo, um lugar. que se habita como uma casa. e não se pode deixar, por mais que se tente. há nisto, algo de imenso. inexplicável. e belo. ponto final.

Sem comentários:

Enviar um comentário