18/01/2015

||| deste tempo da escola...


||| ... às vezes olho para os portões das escolas e não reconheço nada do que a escola podia ser. devia ser. foi. é, na sua essência. depois penso no que penso sempre nesse momento: somos muitos. a escola tem que acolher todos. não sabe como o fazer. ou sabe, não "a" deixam é fazer o que sabe. acolher todos é ensinar todos. educar, todos. dar futuro a todos. ou tentar. mesmo que não consiga. ter força e formas para tentar. o conhecimento é só um. a forma de o transmitir é tão vasta como o que cada um dos miúdos traz consigo também. há lugar ao saber. como há lugar ao abraço. ao acolher. ou não há e é aí que está o erro. o mal. o desvio da escola que agora se transforma num supermercado da repetição. depois há aqueles balões de oxigénio. na escola. o professor que não desiste. o miúdo que não desiste. o projecto que se consegue fazer. o sucesso inesperado. a boa acção feita sem ninguém saber. mas isso não aparece na escola. é uma coisa feita pelos que lá andam para manter o que dela resta. a escola é agora um imenso corredor. com portas. com salas de aula em que se enlatam pessoas que pensam para deixarem de pensar  e passarem a responder certo ou errado como terão que o fazer numa ou duas horas no final de um ano que nem isso é. ouve pouco. diz, ainda menos, a escola. tem muros. demais. tem, medos, a mais. das autorizações precisas. dos processos necessários, dos castigos urgentes. tudo, cerca a escola dentro de si mesma. e vai morrendo, lentamente. mas dizem [e é verdade] que muitas vezes é preciso morrer para se renascer. talvez seja isso que está a acontecer aos nossos olhos. onde reina o "um contra o outro" poderá nascer algo de novo. tenho mesmo essa ideia, imperfeita, utópica. que isto tudo vai morrer. chegar ao ponto de degradação tal que ninguém aguenta e em que a urgência de mudar será maior do que a falsa ideia de que cumprindo tudo o que mandam outros a escola será escola. às vezes olho para o portão da escola e pergunto, somente isto: porque é que a escola tem um portão?...

Sem comentários:

Enviar um comentário