01/03/2015

||| conhece-te a ti mesmo ou a escola do saber...


||| ... a radicalização do discurso é sempre um perigo. sou e serei sempre contra uma educação "espectáculo" como sou e serei sempre contra uma educação "determinista". acho que a sala de aula precisa de quatro coisas fundamentais: encanto, espanto, trabalho e conhecimento. em doses iguais. com estes elementos juntos, criamos curiosidade. e com ela, a alegria. e com isto o futuro. detesto a ideia de uma visão deturpada de uma maieutica utilizada ao favor de argumentos de auto-conhecimento e "desenvolvimento pessoal" que surge como panaceia para todos os males da escola. nem sócrates [o filósofo] tinha turmas de trinta alunos num sistema cerrado pela fileira de uma normalização e avaliação final, nem as palavras ou o pensamento usado pode ser adequado aos tempos que vivemos sem o cuidado extremo de que o pensamento filosófico tem que ser um exercício de rigor racional. há, um poder, nas mãos dos professores que lhes foi roubado. o poder da palavra. de serem ouvidos e da sua palavra ser determinante. para além deste, o poder mais fabuloso de todos. o de dar "ferramentas" [como modernamente se chama agora] para pensar o futuro. essas "ferramentas" são fruto de uma coisa só. do conhecimento. só o conhecimento liberta. só o conhecimento fundamenta. só o conhecimento permite mudança. só essa pedra de base permite a cada aluno encontrar o seu caminho. tudo o resto é, sem dúvida, acessório. penso eu...

Sem comentários:

Enviar um comentário